Bruno Covas, Candidato do PSDB venceu o 2° turno na capital paulista com 59,3% dos votos válidos, derrotando Guilherme Boulos (PSOL), que teve 40,62%.

‘São Paulo disse sim ao equilíbrio e à moderação’, diz Covas após vitória; tucano fez agradecimento especial ao vice Ricardo Nunes

Covas também afirmou que agora é ‘possível fazer política sem ódio’. Candidato do PSDB venceu o 2° turno na capital paulista com 59,3% dos votos válidos, derrotando Guilherme Boulos (PSOL), que teve 40,62%. Tucano fez a campanha mais cara de São Paulo.

No discurso após a vitória, Bruno Covas (PSDB), reeleito prefeito de São Paulo com 59,3% dos votos válidos, disse que a cidade votou pelo “equilíbrio”, “moderação” e a “ciência”. O tucano também afirmou que agora é “possível fazer política sem ódio”.

“São Paulo disse sim ao equilíbrio e à moderação. (…) As urnas falaram e a democracia está viva. São Paulo mostra que faltam poucos dias para o obscurantismo e negacionismo. São Paulo disse sim à ciência e disse sim à moderação”, afirmou.
Neto do ex-governador Mário Covas, Bruno afirmou ser fruto da democracia, respeitar as instituições e fez um agradecimento especial ao vice Ricardo Nunes (MDB).

“Eu queria aqui fazer uma homenagem e um agradecimento especial ao meu vice Ricardo Nunes, que sofreu muito durante essa campanha. Mas esteja certo, Ricardo, que, a partir de 1º de janeiro, nós vamos governar e nós vamos mostrar pra São Paulo quem nós somos e qual é a nossa visão de mundo. Eu tenho certeza que todo sacrifício vai valer a pena, pelo trabalho que nós vamos desenvolver juntos na prefeitura. Muito obrigado, Ricardo”, afirmou.

As principais críticas enfrentadas por Covas durante sua campanha foram em relação à escolha de Nunes para vice, cuja mulher registrou boletim de ocorrência em 2011 por violência doméstica. Nunes também é investigado por suposto envolvimento com esquema em creches conveniadas com a prefeitura na cidade. Durante a campanha, Covas chegou a afirmar que “coloca a mão no fogo” por Nunes, que “não responde a nenhum processo judicial, não há nenhuma denúncia no Judiciário.”

Ainda no discurso de vitória, o prefeito reeleito da capital afirmou que a partir desta segunda-feira (30/11/2020) tem o “desafio de transformar a esperança em realidade” e acabar com divisões políticas na cidade.

“Agora, é agradecer a confiança, todos aqueles que confiaram na nossa proposta. Agora é o desafio de transformar a esperança em realidade. São Paulo não quer divisões, não quer o confronto. Meu avô dizia que é possível conciliar política e ética, política e honra. Agora, acrescento, é possível fazer política sem ódio, fazer política falando a verdade”, declarou.

Conciliação

Bruno Covas também agradeceu o adversário derrotado, Guilherme Boulos, e se dirigiu aos eleitores que votaram no candidato do PSOL dizendo que vai “governar para todos” na cidade.

“As urnas falaram e agora começa o grande desafio de enfrentar essa crise que São Paulo, o Brasil e o mundo precisam encarar. Agradeço o meu adversário. Fizemos o bom combate e queria me dirigir a todos aqueles que acreditaram nele e depositaram o voto de confiança: nós vamos governar para todos. A partir de amanhã não existe distrito azul e distrito vermelho, existe a cidade de São Paulo”, declarou o tucano.
O discurso conciliador de Covas lembrou a fala do presidente eleito nos Estados Unidos, Joe Biden, que ao vencer a eleição dos Estados Unidos afirmou que “não haverá estado azul e estado vermelho”, se referindo aos estados americanos que votaram em Donald Trump.

Aglomeração

Covas derrotou o candidato Guilherme Boulos (PSOL), que teve 40,62% dos votos válidos, segundo a apuração do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de São Paulo (veja o resultado final da apuração aqui). O prefeito reeleito toma posse em 1º de janeiro de 2021.

O discurso da vitória ocorreu na sede do diretório municipal do PSDB, nos Jardins, e houve aglomeração. Os jornalistas pediram para o partido manter apenas a imprensa no espaço, o que foi primeiramente atendido. Depois, Covas disse, em discurso, que, infelizmente “muitos jornalistas compareceram”.

Discurso dos tucanos

Antes de Covas, o governador de São Paulo, João Doria, discursou e disse que o “PSDB foi de fato o grande vencedor nas eleições de São Paulo”.

“O PSDB sabe conjugar união, não separa, não duvide. Agrega e soma. Nosso compromisso é a prioridade para a saúde. As eleições terminaram. Não há foco na eleição, mas em vacinação. Quero também o que foi registrado aqui, a necessidade de com a vacina imunizarmos os brasileiros”, disse Doria.

Durante a campanha em SP, Covas também foi acusado por seu adversário de “esconder” o padrinho político Doria, por causa da avaliação negativa do governador na cidade. Covas não realizou agendas conjuntas e nem apresentou Doria em suas propagandas de TV. Sobre as críticas, afirmou que “estranho seria o governador parar todos seus afazeres para fazer campanha para Prefeitura.”

Na comemoração da vitória, o presidente estadual do PSDB, Marco Vinholi, afirmou que a reeleição de Bruno Covas foi uma “vitória histórica pro PSDB, que hoje atinge 184 prefeituras”.

“O PSDB governa o partido com o maior eleitorado do país. Foi uma vitória histórica que elege o maior número de mulheres no estado. Uma vitória da coerência do trabalho versus extremos, vitória também da união”, declarou.

Vitória

O tucano foi reeleito com amplo leque de alianças políticas, formando coligação que engloba onze partidos (PSDB, MDB, PP, Podemos, PSC, PL, Cidadania, DEM, PTC, PV e PROS). O acordo garantiu o maior tempo de propaganda de TV no primeiro turno, mas não elegeu vereadores suficientes para formar maioria na Câmara Municipal (foram 25 das 55 cadeiras).

De acordo com dados parciais do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), Covas foi reeleito com a campanha mais cara da capital: R$ 19,4 milhões até agora, quase seis vezes mais do que seu adversário no segundo turno, Boulos, que gastou R$ 3,4 milhões. Os candidatos podem prestar contas até dia 15 de dezembro.

A disputa do segundo turno foi acirrada. Embora o atual prefeito tenha liderado as pesquisas de intenção de voto desde o início, a diferença para o candidato do PSOL caiu na reta final. O crescimento de Boulos, no entanto, não foi suficiente para reverter o resultado nas urnas.

A pandemia do coronavírus influenciou a campanha, já que devido ao adiamento do calendário eleitoral os candidatos tiveram um período mais curto entre o primeiro e o segundo turno, de apenas quatorze dias. Ambos fizeram atividades online, entrevistas, encontros e atividades de rua – onde foram observadas aglomerações.

Houve apenas dois debates televisivos no segundo turno, sendo um deles em rede aberta. O debate na TV Globo, que estava marcado para acontecer na sexta-feira (27), foi cancelado após Guilherme Boulos testar positivo para a Covid-19.

Perfil

Bruno Covas Lopes tem 40 anos e nasceu em Santos. Ele é neto do ex-governador de São Paulo Mário Covas, que morreu em 6 de março de 2001, vítima de um câncer.

Advogado, Covas formou-se em Direito pela Universidade de São Paulo (USP) e também em Economia na Pontifícia Universidade Católica (PUC).

Na política, foi deputado estadual e atuou como secretário estadual de Meio Ambiente durante a gestão de Geraldo Alckmin (PSDB) no governo do estado, entre 2011 e 2014.

Foi eleito deputado federal em 2014, deixando o cargo em 2017, quando aceitou concorrer com Doria na chapa do PSDB à Prefeitura de São Paulo.

Ele assumiu a prefeitura em 2018, quando Doria saiu para disputar o governo de São Paulo. O prefeito enfrenta desde 2019 um tratamento contra um câncer na cárdia, que é a região entre o esôfago e o estômago, com metástase no fígado e linfonodos.

Ele foi internado pela primeira vez no dia 23 de outubro de 2019, quando quadro de erisipela (infecção na perna), que evoluiu para trombose venosa profunda (coágulos). Os coágulos subiram para o pulmão, causando o que é chamado de embolia. Durante os exames para localizar os coágulos, médicos detectaram o câncer. O prefeito passou por sessões de quimioterapia e imunoterapia.

Em 7 de agosto, o último boletim médico divulgado pela equipe responsável pelo tratamento informou que o prefeito continuaria realizando sessões de imunoterapia. Os médicos afirmaram, na ocasião, que ele “está em plena saúde e liberado para realizar atividades pessoais e profissionais sem restrições”. Em junho de 2020, Bruno Covas foi diagnosticado com Covid-19 e trabalhou em casa por 2 semanas, até se recuperar da doença.

EMPRESAS, PATROCINADORES, COLABORADORES E EMPRESÁRIOS QUE APOIAM O GRUPO K.J. DE COMUNICAÇÃO:

About Kessio Jhonis 1137 Articles
Este é um site pertencente ao Grupo Késsio Jhonis de Comunicação, onde trabalha com um lema de 'Seriedade e Credibilidade', K.J.Portal de Notícias

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*